Sou mais além da minha cor

 

Olá Rainhas !

c819a564d73415acb9db7949e070bd22--beauty-shots-black-white

 

Gosto de pensar que para o mundo, a definição de mulher Africana, seja mais do que a sua cor. Da minha herança africana, recebi os meu cabelos , as linhas do meu corpo, os meus lábios carnudos, a cor dos meus olhos e a tonalidade da minha pele. Aprendi valores com gerações antigas, humildade e a partilha. Da minha herança africana aprendi a dar voz à minha luta e dar vida ás línguas antigas. Da minha herança africana, aprendi a ser forte, independente e destemida.

A cor da minha pele é mais do o que um reflexo meu no espelho.  A minha pele é a metáfora que define como sou vista e como me vejo a mim própria.

Vivo numa sociedade que ainda me reduz a um ideal da mulher negra, socialmente aceite, em que o negro é bonito, mas mais claro é mais bonito e mais “gostável”.

f7564af18afff8b3f51b46886dc8ec4e--different-shades-of-black-beautiful-black-women

As pedras mais bonitas são as de cores escuras. Onix, Opal e Obsidiana. A sua beleza é incomparável.

Eu, sou mais do que os estereótipos criados por aqueles que não compreendem a minha cultura ou não fazem parte dela e que com isso falham em nos compreender.

Escreve-se mais sobre África e africanos que qualquer outra raça no mundo. No entanto somos os menos compreendidos. Os Europeus não somente colonizaram África e maior parte do mundo, como  também colonorizaram a informação sobre os africanos.

A cor da minha pele tem historia, mas cada tonalidade tem a sua historia.  A cor da minha pele pode ser a minha vulnerabilidade mas também é a minha defesa e a minha celebração.

 

Sou muito mais para além da minha cor.

Somos mais para além da nossa cor.

 

Beijos rainhas!

Advertisements

Afro-ismos e outras cenas — Escreve Eliana, Escreve

O “Negro” e o “Africano” são criações da ocupação europeia. Antes dos colonizadores europeus chegarem a África não havia negros. Os negros apareceram como categoria para se distinguir o branco europeu. O continente Africano existia como uma pluralidade de culturas e nações e não um bloco homogéneo. Havia muita produção científica e economias robustas. Também […]

via Afro-ismos e outras cenas — Escreve Eliana, Escreve

Especial Nós Nos Livros: 12 tons de negro

Todas as quintas-feiras costumamos publicar uma entrevista áudio com uma pessoa da comunidade negra a viver em Lisboa. Esta semana temos uma excepção! Apresentamos “Um Ano Em Busca Da Minha N…

Fonte: Especial Nós Nos Livros: 12 tons de negro