Racismo entre nós.

O Racismo é a crença em que uma raça, etnia ou certas características físicas sejam superiores a outras.

Olá rainhas

A linda diversidade dos tons da pele negra

Há vários tipos de racismo. Racismo individual, institucional, estrutural, cultural e entre outros.

Contudo o racismo que poucos se atrevem a falar e de admitir que existe é o racismo entre nós os negros.

Em Inglaterra à muitos anos atrás onde eu vivi grande parte da minha vida, fui várias vezes questionada sobre o porquê de ser “clara” como se fosse um defeito da fábrica África. Porque tinha as feições finas? Porque é que tinha o cabelo encaracolado – a tua mãe, o teu pai ou os teus avós eram brancos”? A sério!!!?? Isto vindo de outra negra. Eu ficava furiosa com esse tipo de comentário porque questionavam a minha autenticidade e a minha negritude.

Lembro-me de um momento em particular na minha adolescência, ouvir colegas da escola a comparem a tonalidade da cor de pele e a categorizarem-se na variada palete de cores da pele negra. Lembro-me perfeitamente que fiquei triste, chocada e foi um momento que marcou a minha adolescência, porque para mim independentemente da minha tonalidade eu era negra e africana.

Imagina o que é na tua adolescência ouvir comentários racistas de brancos e viver o mesmo no meio da tua gente.

Já em adulta, presenciei inúmeras vezes mulheres negras a serem categorizadas e a categorizarem-se a elas próprias pela tonalidade da sua pele. Muitas durante anos alimentaram-se dessa falsa ilusão de distinção e superioridade para própria vantagem. Nem que isso implica-se pisar noutra “irmã” africana.

A beleza e a riqueza da nossa cor é o que nos difere do resto do mundo. Para quê categorizar?

Independentemente da nossa tonalidade é a cor negra que nos une, que nos identifica e que nos define aos olhos do mundo.

Não consigo compreender como os negros são tão rápidos a reconhecer o racismo como o que lhes é dirigido pelos brancos, latinos, asiáticos, etc mas falham em ver o racismo muito real que existe dentro da nossa comunidade uns com os outros.

Há quem diga que não é real mas se os brancos desaparecessem amanhã do planeta, o colorismo ainda existiria nas nossas comunidades e essa é a parte mais triste.

Aos olhos do mundo, negro é negro seja ele escuro ou claro. Isso nunca vai mudar.

Já algumas de vocês experienciou este comportamento?

Beijinhos rainhas!

Sem ti, a BANTUMEN deixará de existir

A BANTUMEN está a celebrar seis anos de vida. Seis anos a criar uma estrutura que sirva de escudo para uma comunidade que está agora a aprender a ter amor próprio e a acreditar em todo o esplendor da sua potencialidade. Este projeto é fruto da veia empreendedora de Eddie Pipocas e Vanessa Sanches, aliado […]

Sem ti, a BANTUMEN deixará de existir

Reconhecer-se negra é ato de resistência — Me empresta seu óculos?

Olá minhas rainhas😊

Partilho com vocês este texto, que encontrei numa pesquisa de blogues.

Gostei muito do que li. Gostei pela sua simplicidade, pelas palavras directas e porque eu pude relacionar-me com o que esta jornalista escreveu. Seguramente se o lerem vão saber do que eu estou para aqui a escrever.

O que acharam do texto?

Eu gostaria de saber a vossa opinião.

Beijinhos e boa leitura.

 

Ser negra nos dias de hoje talvez seja um pouco menos difícil do que foi para minha mãe,avó, bisavó e outras ancestrais negras. Mas, isso não elimina o racismo presente nos diasatuais. Levei quase 22 anos para me reconhecer negra, entender as batalhas enfrentadaspor conta da cor da pele e perceber que independentemente do que […]

via Reconhecer-se negra é ato de resistência — Me empresta seu óculos?

%d bloggers like this: